Pesquisa

sexta-feira, 16 de março de 2012

SERRANDO O TRONCO DO MEU EGOÍSMO



A pessoa deve atingir um estado em que sente que é parceira do Criador: eu faço a metade do trabalho e ele faz a outra metade. Metade para mim e metade para Ele. É como uma serra com duas alças que duas pessoas seguram, cada uma na sua vez puxa para seu lado: uma vez a primeira pessoa e depois a outra pessoa, e assim elas serram o tronco.

A pessoa também deve sentir que elas atuam alternadamente: uma vez ela atua e outra vez o Criador. Claro, eu não faço o trabalho com minhas próprias forças. A força vem do Alto. O Criador executa a ação e o pedido vem de mim. Então, novamente uma ação por parte Dele e um pedido de mim. Assim, nós nos completamos cada vez.

O melhor estado é quando a pessoa sente que pode executar essa rotação sem parar. Isso significa que nós estamos realmente trabalhando “face a face”, e que o “cavalo e o seu cavaleiro” estão trabalhando juntos como um todo, de tal forma que a pessoa começa a sentir cada vez mais como será a força que ela está prestes a receber, e o que exatamente ela deve dar de sua parte.

Afinal, nós elevamos uma oração (MAN) até o mundo de Ein Sof (Infinito), até o último acoplamento antes do Gmar Tikkun (o fim da correção), que é o acoplamento de “Rav Pealim Mekabtziel” no qual todas as orações anteriores se reúnem. Em cada degrau da escada espiritual, a oração torna-se mais esclarecida e precisa, mais detalhada e clara, porque a pessoa entende e sente mais. Isto é toda a realização.

Ela não sente nenhuma vergonha, porque dá a sua parte e por isso é parceira do Criador, na adesão. Assim, ela supera os “juízes e guardas” que a rejeitam e seduzem, e torna-os seus assistentes. Ela já sente suas ações como assistência.

Nós podemos descrever isso como se a pessoa e o Criador trabalhassem juntos no desejo de receber. A pessoa sente que está em conjunto com o Criador acima deste desejo, ou que o desejo está entre eles, que a pessoa está de um lado e o Criador está no outro lado, e entre eles está o desejo de receber que os separa. A pessoa não vê o desejo como o seu próprio. A primeira coisa é se desconectar do desejo egoísta e receber acima dele, estar separada dele.

Então, nós já devemos ver o ego que nos separa, que está entre os amigos, a pessoa e o Criador, como nosso obstáculo comum. Portanto, nós trabalhamos nisso juntos, quando nos conectamos com o Criador ou os amigos a fim de trabalhar juntos contra o ego que nos perturba, sem tentar apagá-lo porque não podemos conseguir sem ele, mas eu espero estar acima dele.


O Fim do Affair com o Egoísmo

Para nos ajudar a identificar a intenção, para receber ou para doar, condições especiais foram dadas: Cada um vê a si mesmo existindo num mundo grande inanimado, vegetativo, animado, e na natureza humana.

Quando a intenção de receber se aproxima da superfície da consciência, uma pessoa torna-se desesperada pela vida. Ela pode ainda não perceber, mas, na realidade, seu desespero foi evocado pela intenção egoísta. Tudo é avaliado em relação à intenção, e tudo é revelado em pensamentos.

Precisamos analisar claramente e ver o mal do egoísmo e reconhecer que a realidade altruísta, que está em oposto a ele, pode acabar sendo bom. É por isso que, de repente, acabamos em um grupo, que nos é dado por este motivo. Ninguém pensou ou planejou o seu ingresso, estudar e trabalhar em estabelecer uma conexão com os amigos. No entanto, desde que a nossa intenção egoísta se exauriu, chegou a hora para elucidar o quão má ela é. E então nós nos encontramos entre as pessoas, que se esforçam para a mesma coisa: Elas também querem descobrir sobre o que a nossa vida é. E não há nada como a vida na intenção egoísta. E mesmo que a realização venha mais tarde, a análise da situação já começou.

Como resultado, essas pessoas estão reunidas por uma raiz, que criou a nossa existência egoísta, ela nos reúne de modo que teríamos nossas vidas em ordem. Ela nos aproxima (também no espaço) de acordo com a similaridade de qualidades, isto é, as nossas intenções. Não importa onde vivemos e o que fazemos, nos tornamos perto da nossa análise da intenção e, então, de repente, nos familiarizamos com o outro.

Começamos a reconhecer uns aos outros em todo o lugar só por nossa intenção de receber, e ficamos juntos apenas em conformidade com isso. Todos os amigos são selecionados acima e chegam a esta fase final de desenvolvimento no nosso mundo, aproximando-se da linha, onde se torna claro que o caso do amor com o egoísmo chegou ao fim, é impossível continuar nesse caminho, chegou a hora de mudar o vetor e passar para um tipo diferente de existência, a intenção de doar.

Assim nós sentimos a necessidade disso, a mesma raiz preparou adequadamente: De repente, todas as nossas ações mostram o quão más elas são, o mundo parece quebrado, e estamos quebrados entre nós.

A crise agarra a humanidade inteira, e nós, como sua parte interna:
Para as massas, isto se manifesta como uma deterioração das condições de vida. Elas simplesmente não podem viver como antes, embora elas ainda não sejam capazes de descobrir a causa dos eventos. As pessoas querem continuar a usar os seus vizinhos e elas são incapazes de fazer isso. Isso também as faz reconhecer o mal, mas até agora, instintivamente, e não sob a forma da intenção egoísta: elas não conseguem atingir as coisas nas condições dadas, e não conhecem a receita para o sucesso.

Além disso, há o nosso grupo, onde os amigos reconhecem a razão: eles não estão conseguindo por causa da intenção. Pessoas, que identificam a intenção como a causa de todos os males, são chamadas de “cabeça”, enquanto as pessoas, que são simplesmente infelizes, são chamadas de “o corpo.” O grupo se torna a “cabeça” de toda a humanidade.

Desta forma, junto com seus amigos, o homem descobre a sua quebra e juntos descobrem a razão para isso. E o mundo, que também descobre o rompimento, gradualmente recebe a realização do mal deste grupo: o entendimento do porquê as coisas são do jeito que são. Desta forma, o grupo e o mundo se conectam entre elas.

Na realidade, eles são inicialmente ligados, e eles estão apenas gradualmente começando a perceber isso. Em breve, vamos descobrir o quanto as pessoas precisam da nossa análise, que revela o quão mal a intenção é egoísta, porque elas são incapazes de fazê-la por conta própria. Nosso objetivo é revelar este conhecimento para o mundo, em outras palavras, para proporcionar a educação integral.



 
Texto1:Da Lição Diária de Cabalá 21/02/12, Escritos do Rabash - Publicado em 22/02/2012
Texto2:Da Convenção de Arava Arvut Lição# 1, 23/2/12 - Publicado em 4/03/2012

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

MÃE DIVINA





Minha mãe minha rainha
Foi ela que me entregou
Para mim ser jardineiro
No jardim de belas flores
No jardim de belas flores
Tem tudo que procurar
Tem primor e tem beleza
Tem tudo que Deus me dá
Todo mundo recebe
As flores que vêm de lá
Mas ninguém presta atenção
Ninguém sabe aproveitar
Para zelar este jardim
Precisa muita atenção
Que as flores são muito fina(s)
E não podem cair no chão
O jardim de belas flores
Precisa sempre aguar
Com as prece(s) e os carinhos
Ao nosso pai universal

- Mestre Irineu-






OM - BHUR BHUVA SWAH
TAT SAVITUR VARENAYAM
BHARGO DEVASYA DHIMAHI
DHIYO YO NAH PRACHODAYAT

Em um mundo melhor,
a lei natural é a do amor.
Em uma pessoa melhor,
sua natureza também é amorosa.
O amor é o princípio
que cria e sustenta as relações humanas,
O amor espiritual leva ao silêncio,
e esse silêncio tem o poder de unir,
orientar e liberar as pessoas.
E mais, quando o seu amor é aliado à fé,
cria uma forte estrutura para a iniciativa e a ação.
Lembre-se: o amor é um catalisador para mudanças,
desenvolvimento e conquistas.

Por Brahma Kumaris






Encontre mais músicas como esta em Portal Arco Íris-Núcleo de Integração e Cura Cósmica